Cadastre-see receba
informações exclusivas

Notícias

2016:Previsões para casas inteligentes e Internet das coisas

Fonte: The NextWeb (EUA, jan 2016)

2016:Previsões para casas inteligentes e Internet das coisas

Todos os dias, vários aspectos de nossas vidas estão se tornando mais simples - e mais conectados - através da Internet das Coisas e a tecnologia de casa inteligente.

Estamos constantemente  gerando dados, recebendo informações, e em comunicação em tempo real com os nossos dispositivos e uns aos outros - a partir de qualquer lugar, a qualquer momento. E essa conexão só é crescente. Em 2020, o número de dispositivos inteligentes em casa vai mais que dobrar.

Então, quais serão os grandes saltos que estas indústrias darão  em 2016?

Os dados serão submetidos a uma enorme transformação

Quando as empresas de “casa inteligente”  lançaram pela primeira vez suas soluções, elas não têm acesso aos dados do usuário da forma que  têm hoje.

Agora, inundado com uma quantidade abundante de informações sobre a atividade do usuário, suas preferências e objetivos, as empresas da Internet das coisas estão transformando esses dados em notificações para oferecer aos usuários  muitas dicas tão interessantes quanto possível.

Os usuários de hoje estão mais informados  sobre a  casa inteligente, mas isto está chegando a eles  a um custo oscilante, em alguns momentos poucas notificações, em outras há uma sobrecarga de dados.

Para evitar sobrecarregar os usuários com um dilúvio de alertas em seus dispositivos inteligentes, as empresas da Internet das coisas vão  precisar organizar, priorizar e agilizar dados - e, em seguida, apresentá-los corretamente. Alguns podem querer apenas os alertas que têm impacto sobre a vida - como um alarme para avisar os usuários sobre um vazamento de gás - enquanto os outros vão achar incrível valor em alertas de inatividade, como quando um usuário  se esquece de agendar a preparação do  seu café...

Quais os alertas são mais importantes? Quando eles devem ser compartilhados? Como eles devem ser compartilhados? Estas são perguntas que as empresas da Internet das coisas precisam formular a si mesmas para garantir uma experiência de usuário agradável e um contingente de  utilizadores informados e felizes.

As empresas vão se tornar marcas de uso doméstico, e não itens de luxo

Os primeiros consumidores de produtos para o lar inteligentes são um pequeno grupo de fanáticos por tecnologia. No entanto, o grupo demográfico de usuários domésticos está se expandindo  rapidamente para  a fixa além dos 40 anos.

As empresas de casa inteligentes têm desenvolvido muitos refinamentos, extensões e atualizações para tornar seus produtos mais acessíveis e valiosos para os proprietários. Devido a isso, em 2016, as empresas de casa inteligente como Nest, Ecobee, Agosto e Anel - para citar alguns - devem se tornar marcas domésticas e não serem vistos como produtos sofisticados mas não necessários no dia a dia de um morador.

De fato, 68 por cento dos americanos acreditam que as  casas inteligentes serão tão comuns quanto os smartphones  dentro de 10 anos.

O custo de possuir uma casa é a maior despesa na vida de um proprietário.  A habitação também  consome a maior parte do orçamento de uma pessoa comum, respondendo por 33 por cento das suas despesas anuais.

Produtos para o lar inteligentes prometem economizar tempo, energia e dinheiro para os proprietários, com 45% dos usuários de produtos inteligentes dizendo que o uso destes  estes produtos economizou US $ 1.100 por ano, e 87 por cento dizendo que eles fizeram suas vidas mais fáceis. Como resultado, produtos para o lar inteligentes devem se tornar marcas domésticas padrão no ano que vem.

Recursos de software vão se expandir para além do hardware

Hardware sempre foi a espinha dorsal de produtos domésticos. Uma vez que você é o dono de um produto, você estava preso  a ele até  comprar uma nova versão.

Deseja um o novo  refrigerador? Compre o mais elegante, uma versão prateada com gavetas do congelador e gelo picado. Quer um termostato melhor? Compre a nova edição de design cool preto e com uma tela de toque.

Voce pode dizer o quão bem um produto funcionou  olhando para o hardware à sua frente - e o novo hardware significou então um produto melhor. No entanto, agora que as empresas da Internet das coisas dominam o hardware, 2016 será o ano do software com  uma visão sofisticada do futuro.

Produtos de casa inteligente, em 2016 vão oferecer tecnologia sem precedentes - muito mais do que o produto físico que você vê na sua frente. Empresas da Internet das coisas vão começar a ampliar o valor de suas plataformas de hardware com a adição de atualizações avançadas e integrações com serviços de software profissionais vinculados aos seus mercados.

Através destas integrações, os usuários ganharão melhores recursos, mais possibilidades e mais valor a partir do mesmo hardware que já possuem.  Um hardware Impressionante simplesmente não será suficiente - software inovador será uma obrigação.

Produtos da Internet das coisas serão  forçados a se concentrar em segurança

Setenta e um por cento dos consumidores temem que sua informação pessoal possa ser roubada ao utilizar produtos domésticos inteligentes. Na verdade, os consumidores dizem que eles estão mais preocupados com isso do que com o custo da tecnologia.

IoT  vai continuar a  conectar mais e mais aspectos de nossas vidas, isso significa que mais e mais da nossa informação privada está sendo confiada nas mãos de empresas da Internet das coisas. Em 2016, as empresas da Internet das coisas serão forçadas a aumentar os recursos de segurança para garantir que as informações privadas dos usuários estejam mais seguras do que nunca.

Uma vez que as empresas da Internet das coisas programem  esses recursos de segurança, será essencial  uma comunicação  eficaz de como os seus produtos são seguros, para converter os consumidores preocupados em compradores. Assim, fornecer informações claras sobre como os seus produtos são seguros e por que os usuários não precisam se preocupar com a segurança de suas informações serão procedimentos  absolutamente decisivos em 2016.

Aureside na Imprensa

"Entrevista: o emergente mercado de Automação" - Revista Lumiere (jan 2016)

"High Tech" - GRI Magazine (dez 2015)

"Casa inteligente entra no radar do brasileiro" - O Estado de São Paulo (nov 2015)

"The Brazilian Home Automation Market" - HomeToys (nov 2015)

"Atualizando as tendencias" - Revista Potencia (out 2015)

Carregar Mais